Sessão Aventura – Parte I: Séries Policiais

Equipe do Box 02/06/2010 0

Por Erika Ribeiro

Quem não tem saudades da Sessão Aventura? Tá bom, muita gente não sabe o que é, mas essa foi a primeira forma que muitos de nós, da velha guarda, começamos a nos apaixonar pelas séries americanas, na época chamados de “enlatados”.

A long, long time ago… muito antes da Malhação existir, dos anos 80 até algum ponto dos anos 90, nós tínhamos a “Sessão Aventura”, um horário reservado somente para séries estrangeiras que fizeram muito sucesso (ou não) pelo mundo a fora. Tudo bem que, muitas vezes, colocaram novelas, desenhos e muitas outras coisas dentro da Sessão, mas o que todo mundo gostava mesmo de ver eram as aventuras americanas.

Então, como recordar é viver, resolvi trazer algumas dessas séries maravilhosas que abriram caminho para todas as outras e até para as TVs a Cabo, que nem existiam na época.

Aviso: Como são muitas séries, tive que dividir em 3 categorias: Séries Policiais, Séries de Investigação, Séries de Ficção Científica e As Outras. Lembrando que a coluna é minha, por isso o critério de seleção não é nada imparcial, mas estou aberta a quem quiser acrescentar algo ou apenas contar alguma piada sobre algum penteado tosco.

As melhores séries de policiais da Sessão Aventura:

Na Mira do Tira (Sledge Hammer)

 

“Confie em mim. Eu sei o que estou fazendo.”

Foi uma das séries mais zoadas que eu já vi em todos os tempos. Uma cómedia/policial que tinha ótimas tiradas em cima dos filmes e séries policiais que faziam sucesso na época.

A série contava a vida de Sledge Hammer (David Rasche) o policial mais maluco e violento de todos os tempos. Ele não queria saber de nada, só queria resolver os “problemas”, não importando o que acontecesse depois disso. Apaixonado pela sua gigante Magnum 44, ele tinha como “parceira” a sargento Dori Doreau (Anne-Marie Martin) e tinha sempre no seu pé o Capitão Trunk (Harrison Page), que sempre tenta diminuir os estragos ocasionados pelas ações de Hammer.

Para vocês terem uma ideia de como era, vejam o que acontece no final da 1ª temporada e pensem que depois disso a série voltou para sua 2ª.

Na mira do tira teve duas temporadas e foi exibida pelo canal ABC de 1986 até 1988 nos Estados Unidos.


A Dama de Ouro
(Lady Blue)

 

A mãe que Jack Bauer não conheceu

A ruiva Katy Mahoney (Jamie Rose) é uma detetive de policia na cidade de Chicago e lá a violência corre solta. Têm bandidos dando tiro pelas ruas, caindo do teto, jogando granadas, é uma loucura!

Ela era a versão feminina de Dirty Harry, o personagem famoso dos cinemas na pele de Clint Eastwood. Sempre na companhia de sua Magnum 357 e quase sempre na de seu amigo e superior Tenente Terry McNichols (Danny Aiello) , Mahoney era capaz de tudo e abusava da violência contras os marginais, principalmente quando tinha a sua capacidade desacreditada apenas por ser uma mulher.

Eu amava essa série e só depois de muitos anos notei que ela tinha apenas 13 episódios, porque era tanto tiro, tanta gente correndo, pegando fogo, morrendo, que não dava para perceber que era a mesma coisa sempre.

Nos Estados Unidos, associações reclamaram do excesso de violência que acabou tirando Dama de Ouro do ar devido ela ser “um risco para a sociedade e, sobretudo, à formação das crianças”. Ok, tiraram. E ai? Só piorou,mas abafa!

Ao meu ver, a série foi retirada da grade de programação da emissora pois tinha protagonista mulher que sabia se defender e isso gerava dúvidas quanto feminilidade da moçoila. Resumindo: duplamente errada: mulher já tava errada, lésbica então NEM PENSAR! O pior que ela nem fez nada, tadinha, ela era meio caidinha pelo Tenente. *_*

O nome da série em inglês é Lady Blue por causa da cor da policia uniformizada, sendo que ela nem usava uniforme.

A série foi tão famosa que teve uma paródia na antiga TV Pirata, feita pela atriz, ruiva, Débora Bloch

Dama de Ouro foi produzida pela MGM e foi exibida em 1986 .


Anjos da Lei
(21 Jump Street)

 

Adolescentes maiores de idades antes de Barrados e The OC

Anjos da Lei era um grupo de jovens policiais que, por motivos diversos, entraram para a policia e acabaram entrando para um projeto que usa a força policial infiltrada nas escolas de 2º grau e faculdades. O mais legal da série era saber que era tão perigoso dentro das escolas quanto nas ruas. Na verdade, mais perigoso, tendo em vista que as crianças estavam armadas e eles, muitas vezes, não.

A equipe era formada por: Tom Hanson (Johnny Depp) que teve seu pai (policial) assassinado, Doug James Penhall (Peter DeLuise), o mais divertido apesar da infância triste e problemática, Judy Marie Hoffs (Holly Robinson), a queridinha do Chefe Fuller (Steven Williams) e Harry Truman Ioki (Dustin Nguyen), o primeiro membro a ingressar para a equipe. O primeiro Chefe deles foi o Capitão Jenko (Frederic Forrest), mas esse não dura muito, o que acho ótimo, não gostava dele.

Muitas futuras estrelas do cinema e da TV passaram pela série, como Brad Pitt.

Se nos anos 80 já existissem celulares com toques musicais a música tema de Anjos da Lei seria o ringtone mais bombado daquele tempo.  Holly Robinson, a Oficial Hoffs, é quem canta a música tema original.

Aqui no Brasil, eles cismavam em por Always on My Mind, do Elvis, na versão dos Pet Shop Of Boys como música das chamadas. Isso também ocorreu com outras séries como MacGyver.

A série durou um total de 5 temporadas de 1987 a 1991.


Homem da Máfia
(Wiseguy)

 

Minha mãe é brava

Vinnie Terranova (Ken Wahl) era um agente do FBI disfarçado, que passou um tempo na prisão apenas para esquentar seu disfarce. Ele acaba se infiltrando (já percebeu que era moda na época ser agente disfarçado, né?) em várias organizações criminosas para conseguir derrubá-las por dentro. Entretanto, a vida cercada de luxos e outros benefícios sempre o deixa no limite tênue entre o certo e o errado.

A série era dividida por sub-arcos que duravam alguns episódios e ao serem concluídos, passavasse para o próximo tema. Era interessante o formato, pois prendia o telespectador para descobrir como ele ia se safar e, ao mesmo tempo, você obtinha uma resposta antes do término da temporada, ou não.

Outros personagens recorrentes eram Frank McPike (Jonathan Banks), o chefe do agente que lhe passava as missões, sempre prendendo Vinnie para assim poder falar com ele sem destruir seu disfarce e também Daniel “Lifeguard” Burroughs, que funcionava como apoio, não lembro bem, mas vi que ele é um geek a serviço de Terranova.
As sub-tramas eram ditadas já na abertura. Estas sempre mudavam, em alguns detalhes, para situar o telespectador no enredo. Eu só descobri isso quando revi na TV a cabo, já que a Globo as cortava.

Veja a diferença entre a do Trafico de Internacional Armas (com Kevin Space como o criminoso) e a da Supremacia Branca.

O canal que exibia nos Estados Unidos era a CBS, que o fez de 1987 a 1990.


Miami Vice
(Miami Vice)

 

Violência em ritmo de videoclipe

Já citada em Friends e até tendo um remake cinematográfico, Miami Vice foi à série que mais teve a ver com os anos 80.

O clima de Miami sempre colorido e espalhafatoso se contrastava com o trabalho dos policiais em um submundo obscuro e sombrio que os absorvia. A corrupção (até entre agências policiais), as drogas e a prostituição eram temas recorrentes da série, sendo tudo isso embalado pelos hits da época criando o clima exato para quem assistia.

Os dois personagens principais eram Sonny Crocket (Don Johnson)  e Rico Tubbs (Philip Michael Thomas). O primeiro era um policial disfarçado que usava a identidade de um traficante chamado Sonny Burnett . Ele era divorciado e pai e morava em um barco com seu crocodilo de estimação Elvis. Já , Rico era um policial de Nova Iorque que parou em Miami atrás de vingança pela morte de seu irmão e acaba sendo obrigado a trabalhar junto com Crocket, infiltrado também sobre a alcunha de Ricardo Cooper.

A série também trazia o dilema moral entre a vida “fácil”do crime e o dever com a polícia que, em muitos casos, não ajudava em nada seus policiais. A série marcou muito, porque foi inovadora em sua linguagem.

As músicas eram parte da trama e davam o tom da história mesmo sem muitas falas de seus personagens. Veja essa cena e diga se você precisa saber o que aconteceu antes e o que viria depois para se sentir dentro da história?

A equipe de narcóticos tinha, além deles, o Tenente Martin Castilho (Edward James Olmos), chefe da divisão, os detetives Stan Switek (Michael Talbott), Larry Zito (John Diehl), Gina Calabrese (Saundra Santiago) e Trudy Joplin (Olivia Brown), essas últimas sempre disfarçadas de prostitutas, como prova do machismos dos anos 80 (acho que isso ajuda na minha tese sobre A Dama de Ouro).

Espero que tenham gostado tanto quanto eu de rever, ou conhecer essas séries. Deixem suas impressões.

Em breve, mas nem tanto: Séries de Ficção Cientifica. Aguardem !!




Leave A Response »