Conheça o bandido que inspirou A Teia

Carol Maglio 28/01/2014 17

paulinho-vilhena-a-teia-marcelo-borelliA Teia, minissérie de 10 capítulos que estreia na Globo nesta terça (28), contará uma história baseada nos feitos e na trajetória de um personagem real.

Confira as reviews da serie.

Paulo Vilhena viverá o primeiro vilão de sua carreira, Marco Aurélio Baroni, criminoso sádico inspirado num dos bandidos que mais chocaram o Brasil na década passada. Trata-se de Marcelo Borelli.

* A partir deste ponto, este artigo pode conter informações que podem ser interpretada como spoilers, dependendo da abordagem da minissérie.

Filho de um rico agricultor de cereais do interior do Paraná, que faliu e colocou a família em dificuldade financeira, Marcelo Moacir Borelli resolveu virar bandido, revoltado por não ter mais as mordomias a que estava acostumado. Começou roubando carros e ‘evoluiu’ para assaltos a bancos e carros fortes. Em pouco tempo, tornou-se líder de uma quadrilha.

Borelli foi acusado de roubar cerca de 61 quilos de ouro de um compartimento de carga de um avião, pousado no aeroporto de Brasília, numa ação que durou cerca de 30 segundos. No mês seguinte, em 16 de agosto de 2000, o bandido foi o cabeça de uma operação cinematográfica, que sequestrou um Boeing-737-200, da Vasp. O grupo desviou a rota do avião Foz do Iguaçu – Curitiba, fazendo-o realizar um pouso forçado no norte do Paraná. No voo estavam 61 passageiros e seis tripulantes. O alvo dos bandidos eram malotes com 5 milhões de reais.

Entretanto, o crime mais chocante de Borelli veio a público em outubro de 2000. Após a sua prisão, foi descoberta uma fita em que ele aparecia torturando uma menina de apenas 3 anos de idade. A criança era filha de sua namorada na época com um ex-comparsa de Borelli, que havia se tornado seu inimigo. As imagens chocantes foram exibidas durante 7 minutos pelo Programa do Ratinho (que teve um aumento de quase 30% de audiência na ocasião). Nelas, era possível ver Borelli espancando a menina, pisando e torturando. O apresentador disse, na época, que a fita tinha uma maior duração, onde se via todo tipo de atrocidade com a menina, entre elas choques elétricos e Borelli forçando a criança a comer as próprias fezes.

O sadismo desta ação teria sido com a intenção de enviar a fita ao pai da menina, que Borelli acreditava ser o seu delator para a polícia. Na ocasião, a namorada do bandido havia sido enviada a uma viagem de ‘negócios’ no lugar dele e não sabia das intenções de seu cônjuge

Depois de preso, Borelli passou por diversas cadeias, entre elas a carceiragem da Polícia Federal em Brasília (para onde vão os bandidos mais perigosos do Brasil), onde foi espancado depois de liderar um motim. Entre seus agressores estava até o traficante Luiz Fernando da Costa, conhecido com Fernandinho Beira-Mar. A surra coletiva lhe rendeu hematomas por todo o corpo, diversos traumatismos e o couro cabeludo arrancado.

Enquanto esteve preso em Brasília, seu nome foi envolvido num outro escândalo. Marcelo Borelli foi apontado como o misterioso pai do filho da cantora mexicana Gloria Trevi, que engravidou enquanto esteve detida na Superintendência da Polícia Federal. Porém, exames de DNA comprovaram que o pai era um ex-namorado da pop star latina.

Borelli faleceu, aos 38 anos de idade, por complicações decorrentes de AIDS, na prisão no início de 2007, onde cumpria pena de mais de 170 anos de prisão por diversos crimes. Não se sabe como ele contraiu o vírus HIV, mas especula-se que ele tenha sido estuprado na cadeia. Borelli recusava tratamento para a doença.

Por conta de seu currículo de confusões enquanto preso, ele ficou conhecido como “criador de casos” entre os presos da PF.